Palestra com Joaquim Lagoeiro promovida pela Escola da Póvoa
Palestra com Joaquim Lagoeiro promovida pela Escola da Póvoa .
DescriptionUnit
Documento
PT/AME/FM.FF.FT.000154
Palestra com Joaquim Lagoeiro promovida pela Escola da Póvoa
1991-06 - 1991-06
A4
Fotografia Papel
Palestras Escola da Póvoa Joaquim Lagoeiro Maria de Lurdes Breu
Fotografias
00353859 (Fotografia)
00353873 (Fotografia)
00353910 (Fotografia)...
Imagem
JPEG
Câmara Municipal de Estarreja
Câmara Municipal
Câmara Municipal de Estarreja
Positivo
Cores
Joaquim Lagoeiro Nasceu a 2 de Setembro de 1918 em Veiros, nas terras marinhas de Estarreja. Aí passou a meninice e a juventude. Ingressara entretanto no seminário, donde lhe provieram as primeiras influências literárias, associadas também ao facto de ter nascido e crescido em terra de emigrantes. Com obras como "Viuvas de Vivos", "Madre Antiga" e "Milagre em S. Bartolomeu", construiu o que chamou "Tríptico da Terra". Da estadia na capital surgiram "Mosca na Vidraça", "Manto Diáfano" e "As Castigadas". Hoje, reformado e residente em Lisboa, mas não renegando a sua terra, Joaquim Lagoeiro tornou-se escritor de tempo inteiro. Excerto do livro “Madre Antiga” Nenhum remédio senão voltar-se, de braços cruzados, logo descidos por via do nó, um nó que nem à unha e que lhe acabava nos dentes. Abrira-se-lhe a ele a cara num sorriso de satisfação: por tudo, inclusive por aqueles seios escapos ao colete e ali a dançar-lhe sobre os joelhos. Enfiara-se ele primeiro nas mantas. Deitado, aguardara. Logo, numa pressa para não ser observada, ela atirara as saias para os pés da cama e enrolara-se-lhe ao lado, de joelhos na barriga e calcanhares nas sodras. De mãos sob a nuca, de papo para o ar, ele, ordenando: -- Apaga a luz!
Muito Bom
Casa da Cultura
Edifício Paços do Concelho
Beduído
Estarreja
Estarreja
Individualidades do Concelho de Estarreja